terça-feira, 20 de setembro de 2011

Momento Mágico


Flutua nas suas veias entre pingos de serenata sob a janela do seu coração. Improvisa um doce chilrar ao que a brisa transporta por entre folhas secas, castanhas de dois tons.
Apesar da tempestade ele sente-se com força e vontade de criar, floresce de novo sorrindo. 
Seduzido pelo aroma e superfície lisa, embarca numa nova jornada da sua existência espiritual, uma viagem lenta e agradável transpõe-no noutro lugar, num patamar que causa frio às gotas coloridas ficando cego por momentos, perdido à luz da noite ele encontra-se onde se esconde.
Feito de tiras metálicas sob um colchão construído numa qualquer fábrica, o objecto deseja a sua partida já muito reclamada para um último aviso. 
O desejo de elevar-se acima do germe da corrupção moral que habita, sentir o cheiro dos agentes responsáveis pela poluição, destruição, consumismo, já há muito sentido pela sua doença que se prolonga.


É hora de desligar a máquina...


Todos os presentes se despedem do seu corpo inanimado, mas ainda quente, é o momento em que o balão flutuante leva o legado desta vida numa terra prometida e parte em busca de um mundo melhor, o seu adoptado Universo.

2 comentários:

  1. Certamente para alguns não será tão difícil, talvez sim uma sensação de alívio ;)

    ResponderEliminar