domingo, 28 de novembro de 2010

Gotas

Não as vejo nem as sinto, sem cheiro
Oiço os seus toques, num fundo perdido
Toques esses de solidão, almas vazias
Escondidas entre paredes, aflitas
Imaginando pequenas ondas, repetidas
Arrependimentos no olhar, triste
Barreira entre o bem e o mal, corajosas
Ninguém quer saber delas, traídas

Mais que gotas, são pequenos sentimentos
Isolados entre vidas sinceras, aguardando mais um dia

E caem...caem...caem...gotas

Sem comentários:

Publicar um comentário